OrigemNews

ÁreaRestrita



Auditorias


NewsLetter

Método William T. Fine

Este método tem como objetivo estabelecer prioridade, integrando o grau de risco com a limitação econômica. Por meio dele, o departamento de segurança pode projetar o "time" de implantação, o esforço e a previsão de verba, de acordo com o nível de criticidade de cada risco.

Tal sistema de prioridade está alicerçado em uma fórmula simples, que calcula o perigo de cada situação, e tem como resultado o Grau de Criticidade ou Periculosidade, que será denominado: Grau de Criticidade - GC. Este grau determina a urgência da tomada de decisão, ou seja, se o risco deve ser tratado com maior ou menor brevidade.

A justificativa dos investimentos na segurança deverá estar diretamente relacionada ao GC. É óbvio que se, por exemplo, o investimento em sistemas for alto e o grau de criticidade baixo, deve haver uma forma de balancear o investimento. Com este método obtém-se um parâmetro para realizar e justificar o investimento na segurança.

O Método Fine é baseado, tal como o de Mosler, em grades de probabilidade. Caso a empresa não tenha histórico, o cálculo terá como base dados e avaliações subjetivas.

Existem duas fórmulas: uma para estimar o grau de criticidade e outra para justificar o investimento:

A) GRAU DE CRITICIDADE – GC
B) JUSTIFICATIVA DE INVESTIMENTO – JI

O tema é pauta de um dos cursos oferecidos pela
Origem® Consultoria em Gestão de Riscos.

 Certificações