OrigemNews

ÁreaRestrita



Auditorias


NewsLetter

Roubo de carga cai em SP e interrompe sequência de alta depois de 15 meses

26/10/2017

Os roubos de carga no Estado de São Paulo caíram 16% no mês de setembro, interrompendo uma sequência de 15 meses seguidos de alta, segundo dados divulgados pelo governo paulista na tarde desta quarta (25). Em números absolutos, eles foram de 903, em setembro de 2016, para 759 registros no mês passado, uma redução de 144 casos.

Já no acumulado do ano, porém, os roubos de carga continuam em alta. De janeiro a setembro, a polícia registrou 8.040 casos neste ano, contra 7.027 no mesmo período do ano passado, um avanço de 14%. A redução desse tipo de crime era esperada neste final de ano já que, em 2016, os roubos de carga bateram recordes históricos. Os 759 crimes registrados no mês passado, por exemplo, são 17% superiores aos registrados em setembro de 2015, quando foram 651 registros.

Além do roubo de carga, calcanhar de Aquiles da gestão Geraldo Alckmin (PSDB), o Estado também teve em setembro queda em todos os principais índices de criminalidade: homicídio, latrocínio, estupro, furtos e roubos. Os roubos em geral, por exemplo, tiveram redução de 4.509 boletins –foram de 27.631 para 23.122 registros, em uma queda de 16%.

Um dos crimes que mais tiveram redução foi o latrocínio, com 66% de queda. Eles foram de 32 para 11 casos, sempre comparando setembro deste ano com setembro do ano passado. “São números bem positivos que deixam a Secretaria da Segurança muito satisfeita. Isso mostra que estamos no caminho certo no combate à criminalidade”, disse o secretário, Mágino Alves Barbosa Filho.

Foi a primeira vez que o chefe da segurança paulista consegue uma redução de roubos de carga após ter assumido a pasta, em meados de maio de 2016, no lugar do hoje ministro do Supremo Alexandre de Moraes, de quem era secretário-adjunto.

A única região em que os dados não foram todos positivos para os roubos de carga foi a Grande São Paulo, onde esse tipo de crime cresceu 5%. Eles subiram de 191 para 201 crimes.

Fonte: Folha de S.Paulo

 Certificações