OrigemNews

ÁreaRestrita



Auditorias


NewsLetter

Prévia de pesquisa indica defasagem em torno de 10,75 a 12,89% no frete

15/12/2016

Na reunião da Câmara Técnica de Transporte de Carga Fracionada – CTF realizado no último dia 12 de dezembro na sede do SETCERGS - Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística no Estado do Rio Grande do Sul discutiu-se a situação econômica por que passa o segmento.

A pauta tratou da alteração frequente do valor do diesel, resultado da nova política de preços da Petrobras, que decide a cada mês o preço dos combustíveis nas reļ¬narias com base nas variações ocorridas no preço do barril de petróleo e no valor do dólar.

A NTC vem acompanhando a situação das empresas transportadoras, que vem piorando ano a ano desde 2014. A última pesquisa realizada pelo DECOPE/NTC mostrou que 73% das empresas do segmento está pior do que em 2015; praticamente, todas estão com frete defasados e, quase 90% tem frete a receber em atraso. Em resumo, o valor recebido está aquém do necessário, os prazos de recebimento são longos e, ainda, boa parte deles não está sendo honrada nos prazos contratados.

Baseados nas planilhas de custos da NTC, foi realizado um estudo preliminar que apresentou uma defasagem em torno de 10,75 a 12,89%. A preocupação com a situação não é só pelo valor estar elevado, mas pela persistência do mesmo ao longo do tempo – o ano inteiro a defasagem permaneceu neste patamar (em agosto a pesquisa indicou uma defasagem de 12,90%).

Fonte: NT&Logística

 Certificações