OrigemNews

ÁreaRestrita



Auditorias


NewsLetter

Com obras atrasadas, SP-264 oferece riscos aos motoristas em Sorocaba

23/03/2015

O desejo dos motoristas que aguardam a conclusão da duplicação da Rodovia João Leme dos Santos - a SP-264, que liga Sorocaba (SP) a Salto de Pirapora (SP), só será realizado no fim do ano. Segundo o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), as empresas responsáveis pelo serviço já avisaram que as obras estão atrasadas.

Enquanto isso, as máquinas e os obstáculos na pista, aliados à imprudência de alguns condutores, preocupam os usuários da via. "Está muito perigoso demais. Muita gente está morrendo e a gente pede urgência nessa obra", diz o empresário Valdecir Feitosa.

Segundo dados  da Polícia Rodoviária, os meses de janeiro e fevereiro de 2014 registraram 44 acidentes, sendo que 15 fizeram vítimas. No mesmo período deste ano, foram 31 acidentes com 12 vítimas. Uma delas morreu. Também nos primeiros dois meses deste ano, mais de 860 motoristas foram autuados por algum tipo de infração na SP-264. As principais irregularidades foram o uso indevido do acostamento, a falta do cinto de segurança e a ultrapassagem em local proibido.
"Quando o motorista não consegue saber que não se deve cometer esse tipo de abuso, é necessária a atuação do policiamento junto ao Código de Trânsito. Nós autuamos esses motoristas fazendo com que, doendo no bolso, o motorista se conscientize", explica o Tenente Mário Machado Junior.

Além dos riscos, uma das principais reclamações na SP-264 tem sido as condições da pista, principalmente pelos estragos que podem causar aos veículos. "Quebra mola, solta parafuso de roda, quebra as peças dos caminhões... E carro pequeno, também, é complicado. Entorta roda, estoura pneu", enumera o motorista Lúcio Ferreira.

A duplicação da rodovia começou em 2014, e as obras foram divididas em duas partes. De Salto de Pirapora até a UFSCar, a duplicação deveria ter sido entregue em fevereiro, mas um impasse sobre os locais onde seriam construídos os retornos, rotatórias e passarelas, além do processo de desapropriação de algumas áreas, atrasaram o cronograma, e o prazo de entrega ficou para novembro.

Na segunda parte, entre a Rodovia Raposo Tavares e a UFSCar, as obras devem ficar prontas em dezembro. Porém, até o momento, apenas 11% do serviço está pronto, porque, segundo o DER, a primeira empresa contratada não cumpriu os prazos, fez paralisações e foi substituída. Caso isso não tivesse acontecido, a entrega do trecho deveria ser feita em abril deste ano. O DER informou ainda que, na altura da UFSCar, será implantada uma passarela para pedestres.

Fonte: G1

 Certificações